Casos de estupros aumentam em 110,3% no 1º semestre de 2022, na Paraíba

Protesto cobrando justiça por Pâmela Bessa, assassinada pelo marido em Poço José de Moura, no interior da Paraíba — Foto: Coletivo Mulheres a Bessa

Os estupros de mulheres e estupros de vulneráveis cresceram em 110,3% na Paraíba, no 1º semestre de 2022, conforme dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgados na quarta-feira (7). É o maior aumento visto nos últimos quatro anos.

O levantamento mostra que somente no primeiro semestre deste ano, foram registrados 225 estupros e estupros de vulnerável no estado. Em 2021, foram 107 casos.

Um crescimento exponencial desse tipo de violência de gênero tem sido visto no estado. Quando comparados os últimos quatro anos juntos, percebe-se que a Paraíba registrou um salto total de 158,6% nos casos de estupros e estupros de vulneráveis entre 2019 e 2022.

A pesquisa também traz dados sobre feminicídio no estado, que ficaram estáveis desde 2020, registrando uma variação absoluta de 6,3%.

Apesar de alarmantes, os números de feminicídios no estado vão na contramão do quadro nacional, quando desde 2019 é visto um crescimento contínuo das mortes de mulheres em razão do gênero feminino.

Ainda de acordo com o levantamento, apenas a região Sul teve redução no número de feminicídios registrados entre 2019 e 2022, com queda de 1,7%. A região Norte é a que acumula maior crescimento no período de quatro anos: 75%, seguida pelo Centro Oeste (29,9%), Sudeste (8,6%) e Nordeste (1%).

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública reitera que o Brasil vive uma epidemia de violência de gênero e ressalta que estupro é uma forma de manutenção do poder masculino.

“Em 2023, as novas gestões dos Executivos estaduais e federal têm como missão priorizar o enfrentamento à violência contra meninas e mulheres, com a disponibilização de recursos materiais, financeiros e humanos”, registra a organização no levantamento.

Como denunciar

Denúncias de estupros, tentativas de feminicídios, feminicídios e outros tipos de violência contra a mulher podem ser feitas por meio de três telefones:

  • 197 (Disque Denúncia da Polícia Civil)
  • 180 (Central de Atendimento à Mulher)
  • 190 (Disque Denúncia da Polícia Militar – em casos de emergência)

Além disso, na Paraíba o aplicativo SOS Mulher PB está disponível para celulares com sistemas operacionais Android e IOS e tem diversos recursos, como a denúncia via telefone pelo 180, por formulário e e-mail. As informações são enviadas diretamente para o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, que fica encarregado de providenciar as investigações.

Deixe um comentário...