Cerca de 20 mil pessoas ainda aguardam evacuação no aeroporto de Cabul

Dezenas de jatos dos EUA devem pousar na capital do Afeganistão nesta segunda, mas fontes afirmaram à CNN que só serão admitidas para a retirada pessoas com determinados passaportes e vistos…leia detalhes…

Dezenas de jatos de transporte militar dos Estados Unidos devem pousar no aeroporto internacional de Cabul nesta terça-feira (24), enquanto cerca de 20.000 pessoas permanecem nas instalações aguardando evacuação, disse uma fonte.

Os planos previam que 33 C-17 da Força Aérea dos Estados Unidos se dirigissem ao Aeroporto Internacional Hamid Karzai nas próximas 24 horas, disse a fonte. Cada um dos grandes jatos quadrimotores tem capacidade para levar 400 passageiros para fora de Cabul, “o que deve diminuir” as 20.000 pessoas que estão no aeroporto e tentando sair do Afeganistão depois que o Talibã assumiu o controle do a maior parte do país na semana passada.

Mas a fonte afirmou que Washington está mudando sua política sobre quem será admitido no aeroporto e, a partir de segunda-feira, apenas cidadãos americanos e titulares de green card e cidadãos de países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) terão permissão para passar pelos portões do aeroporto.

Aeroporto ainda lotado

Apesar dos voos dos Estados Unidos e países parceiros terem tirado mais de 30.000 pessoas do aeroporto de Cabul desde 14 de agosto – incluindo cerca de 5.000 em um período de 12 horas no domingo, de acordo com um funcionário da Casa Branca – o aeroporto ainda fervilhava de pessoas tentando entrar em um voo de ida.

A fonte disse que não estava claro como o grande número de voos não parecia estar reduzindo seu total geral e sugeriu que poderia haver um canal separado no qual as forças de segurança afegãs, ajudando a patrulhar o perímetro da base, tivessem seus próprios meios de fazer com que as pessoas conhecidas por eles entrassem no terreno do aeroporto, fazendo com que o número de pessoas no aeroporto crescesse.

No domingo, as condições do aeroporto pioraram ao longo do dia, com os portões de entrada em grande parte fechados. Houve casos de famílias sendo divididas e enviadas para diferentes países em meio ao caos.

“Não sei o que eles estavam fazendo, mas ainda há funcionários locais lutando nos portões sem conseguir entrar”, disse uma fonte próxima à situação à CNN, referindo-se a afegãos empregados pelos EUA.

Famílias estavam sendo separadas e enviadas para diferentes países, acrescentou a fonte. Isso “não foi intencional e não foi realmente culpa das autoridades americanas, mas elas optaram por entrar separadamente ou se separaram no caminho”, disseram eles. “Houve casos em que a mãe, o pai e os filhos acabaram em países diferentes”.

Poliana Skaf

Deixe um comentário...