EUA autoriza 3ª dose de vacina anticovid

Os Estados Unidos já aplicaram pelo menos uma dose em 71,5% de sua população adulta. Mais de 61% dos adultos estão… leia mais….

O FDA (Food and Drug Administration – órgão regulador norte-americano) autorizou nessa 5ª feira (12.ago.2021) a aplicação de uma 3ª dose de vacina contra a covid-19 em pessoas com o sistema imunológico enfraquecido. Entre elas, as que realizaram transplantes de órgãos.

Depois de uma revisão completa dos dados disponíveis, o FDA determinou que este grupo pequeno e vulnerável pode se beneficiar de uma 3ª dose das vacinas Pfizer/BioNTech ou Moderna”, declarou Janet Woodcock, médica da agência, em comunicado. Eis a íntegra, em inglês (92 KB).

Além dos imunizantes da Pfizer e Moderna, o país aplica a vacina da Janssen, de dose única.

Indivíduos que estão totalmente vacinados estão protegidos de forma adequada e não precisam de uma dose adicional de vacina anticovid neste momento”, lê-se no comunicado da agência. “O FDA está ativamente envolvido em um processo rigoroso com base científica, junto a nossos parceiros federais, para analisar se uma dose adicional [para outros grupos] pode ser necessária no futuro.”

Em entrevista a jornalistas, a diretora do CDC (Centros para Controle e Prevenção de Doenças), Rochelle Walensky, informou que cerca de 3% dos adultos norte-americanos estão com o sistema imunológico enfraquecido. Além de pessoas transplantadas, entram nessa lista aquelas que vivem com HIV ou fazem tratamentos contra o câncer.

Os Estados Unidos já aplicaram pelo menos uma dose em 71,5% de sua população adulta. Mais de 61% dos adultos estão completamente imunizados contra a covid-19.

A aplicação da dose de reforço é criticada pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Em 12 de julho, o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que os dados mostram que a vacinação com duas doses oferece imunidade de longa duração e, portanto, a prioridade é vacinar as pessoas que não receberam nenhuma proteção.

“Em vez de Moderna e Pfizer priorizarem o fornecimento de vacinas como reforços para países cujas populações têm cobertura relativamente alta, precisamos que eles façam todos os esforços para canalizar o fornecimento à Covax Facility, à Equipe de Tarefa de Aquisição de Vacinas da África e aos países de baixa e média renda, que têm cobertura vacinal muito baixa”, disse.

A declaração foi feita no mesmo dia em que Israel passou a aplicar uma 3ª dose em pessoas com sistema imunológico comprometido. O país foi o 1º a oferecer dose de reforço contra a covid-19.

No começo de agosto, a OMS apelou aos países que adiassem a aplicação de uma dose de reforço até o fim de setembro. “Não podemos aceitar que os países que usaram a maior quantidade de vacinas ainda usem mais vacinas, enquanto as pessoas mais vulneráveis em outras partes do mundo permaneçam desprotegidas”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Alemanha e França disseram que vão disponibilizar a dose de reforço a pessoas vulneráveis a partir de setembro.

O Chile iniciou na 4ª feira (11.ago) a aplicação de uma dose de reforço em todos que se imunizaram com a CoronaVac, vacina do laboratório Sinovac.  Cerca de 90% da população chilena recebeu o imunizante.

Publicado por Fabiana Maluf

Deixe um comentário...