Indicado por Moraes quer punição exemplar para militares

General Tomás Miguel Ribeiro Paiva. Foto: Exército Brasileiro/ Divulgação

Por Marcos Melo

O novo comandante do Exército, general Tomás Paiva, indicado ao presidente Lula (PT) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, durante conversas com o alto escalão do governo, defendeu que haja uma pacificação entre o Executivo e as Forças Armadas, de acordo com a CNN.

O militar defende ações mútuas como o melhor caminho para harmonizar essa relação.

No entendimento do general, os militares que tiveram qualquer participação nas manifestações radicais que depredaram prédios dos Três Poderes da República, em 8 de janeiro, devem ser punidos de maneira exemplar.

Paiva também ressaltou sua visão de que as Forças Armadas não são instituições de governo, mas de Estado e reafirmou o compromisso com o Estado Democrático de Direito e com a Constituição.

O novo comandante traz a ideia de despolitizar os quartéis após a era Bolsonaro, que no seu entendimento foi aparelhado ideologicamente.

Sua postura “linha dura” com os militares simpáticos ao ex-presidente Bolsonaro está em total consonância com o projeto político de Lula e agrada a visão de Moraes, que viu no general características que justificassem sua indicação.

Deixe um comentário...