Lula promete PNI como referência: “Vamos trazer de volta o Zé Gotinha”

Lula na COP27. Foto: reprodução

Por Raphael Veleda

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está de repouso em sua casa em São Paulo nesta semana, recuperando-se de um procedimento cirúrgico na garganta, mas participou, na quinta-feira (24/11) de uma reunião do grupo de trabalho da Saúde do Gabinete de transição. Lula participou do encontro por videoconferência e defendeu o fortalecimento do Programa Nacional de Imunização (PNI), além de ter ouvido um diagnóstico sobre a escassez de recursos orçamentários para o Sistema Único de Saúde (SUS).

O encontro virtual contou com a participação de técnicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e de cinco ex-ministros da Saúde das gestões petistas (Humberto Costa, hoje senador por Pernambuco, Alexandre Padilha, deputado federal, Arthur Chioro, José Gomes Temporão e José Agenor).

Após receber informações sobre a falta de recursos, Lula disse que o Orçamento da saúde foi desestruturado na gestão de Jair Bolsonaro (PL) na presidência e que precisará ser recomposto. Para aumentar a eficiência da saúde pública e reduzir custos, o presidente eleito defendeu investir “significativamente” em inovação e soluções criativas e, de maneira emergencial, tentar resolver gargalos do sistema, como a lista de espera para atendimento especializado.

Após a reunião, encerrada, Lula fez postagem nas redes sociais destacando um dos principais temas debatidos no encontro, a vacinação, não apenas contra a Covid-19, mas contra todas as doenças que têm vacina. “Vamos trazer de volta o Zé Gotinha e fazer do Brasil mais uma vez referência mundial em vacinação”, escreveu o presidente eleito.

Veja a postagem:

Cobrança às igrejas evangélicas

Lembrando da polêmica em torno do negacionismo da vacina ao longo da pandemia de coronavírus, Lula disse aos interlocutores, na reunião, que pretende cobrar de lideranças de igrejas evangélicas sobre o apoio das instituições ao programa de vacinação.

Segundo Lula, aqueles que seguirem optando por desincentivar a vacinação ou espalhando informações falsas sobre a vacina poderão ser responsabilizados “pela morte das pessoas”.

Deixe um comentário...