Mourão diz que multa ao PL é absurda: “É hora de combater a esquerda”

Hamilton Mourão. Foto: Rafaela Felicciano

Por Raphael Veleda

Eleito senador pelo Rio Grande do Sul com 2.593.294 votos depositados em urnas eletrônicas, apesar de ter passado a campanha em segundo ou terceiro nas pesquisas, o ainda vice-presidente Hamilton Mourão (PL) usou as redes sociais na quinta-feira (24/11) para dizer que é “justificada” o que chamou de “polêmica” em função da “questão da confiabilidade” do sistema eleitoral brasileiro.

Mourão reclamou da multa de R$ 22,9 milhões aplicada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, à coligação liderada pelo PL, do presidente não reeleito Jair Bolsonaro, por “litigância de má-fé”. O partido presidido pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto havia acionado a Corte alegando supostas inconsistências na apuração dos votos da eleição presidencial em segundo turno, vencida pelo petista Luiz Inácio Lula da Silva.

“Vive-se hoje, nacionalmente, uma polêmica justificada em função da questão da confiabilidade das urnas eletrônicas e das ações contundentes e exacerbadas do TSE. O recente recurso do PL, protocolado mais de 20 dias depois da proclamação oficial dos resultados das eleições, não dá ao TSE o direito de rejeitá-lo peremptoriamente e extrapolar, mais uma vez, por intermédio de multa absurda e inclusão dos demandantes em inquérito notadamente ilegal”, escreveu Mourão, nesta quinta, um dia após a imposição da multa e da rejeição da reclamação do PL.

“Supressão discriminatória do direito de recorrer e sanções desproporcionais configuram vingança, tudo que o país não precisa neste momento”, continuou o senador eleito, que atacou em seguida a iniciativa do ministro Alexandre de Moraes de ter convocado comandantes das PMs estaduais para uma reunião de balanço das ações conjuntas ao longo da eleição. Reuniões com essas mesmas pessoas foram realizadas antes do pleito e entre o primeiro e o segundo turnos.

“Some-se a este estado de coisas a foto do presidente do TSE ladeado por alguns comandantes das PM, materializando o ápice do autoritarismo e ferindo de morte o Pacto Federativo”, criticou Mourão.

Veja as imagens que irritaram o vice-presidente do Brasil:

Convocação

Ainda segundo Mourão, “hoje, rumamos para um precipício” e “é chegada a hora da direita conservadora se organizar para combater a esquerda revolucionária”. O senador eleito não detalhou como espera que se dê esse combate, mas escreveu ainda que “necessário é reagir com firmeza, prudência e conhecimento; dentro dos ditames democráticos e constitucionais, para restabelecer o Estado Democrático de Direito no Brasil.”

Deixe um comentário...