Paraíba tem quase 500 pessoas na fila de espera para transplante de órgãos

Foto: Pixabay

A Paraíba possui uma fila de 455 pessoas esperando por transplantes de órgãos, conforme informações da Central de Transplantes do Estado. O número representa um aumento percentual de cerca de 2% em 5 meses, quando o a fila de espera era de 447 pessoas, conforme levantamento sobre essas cirurgias no estado.

Segundo o Governo da Paraíba, de janeiro a dezembro de 2022, foram realizados 310 transplantes de órgãos e tecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Foram 255 transplantes de córneas, três de coração, 29 de rim, 20 de fígado e três de medula óssea. O total é 5% maior que o registrado em 2021, quando foram somados 295 procedimentos. Apesar disso, a fila em 2023 ainda é grande.

A pedagóga Socorro Moura espera desde 2018, quando chegou a ser chamada, mas como a Central de Transplantes convoca duas pessoas para transplantar a que for compatível, ela não foi a escolhida.

Socorro faz hemodiálise três vezes por semana e está na fila para um transplante de rim. Ela relata viver uma expectativa muito grande e uma decepção quando não foi escolhida.

“Há quatro anos, fui chamada e não deu certo. O rim foi melhor para outra e eu continuei na fila de espera. Quando você recebe a ligação, dá muito medo. Medo de não dar certo, medo de perder, medo de você ir embora de vez e ao mesmo tempo uma alegria muito grande por saber que você vai ter uma sobrevida; não vai não estar presa a máquina. Mas, quando você está lá, faz todo o procedimento e não dá certo, outra frustração”, conta.

O secretário executivo de gestão das redes de unidades de saúde, Ari Reis, explica que no Brasil existem as filas nacionais e as estaudais. A Central de Transplantes do Estado fica em constante contato com o Sistema Nacional de Transplantes (SNT) do Ministério da Saúde e quando ocorre a manifestação da intenção de doar, é feita a compatibilidade com a fila estadual de saúde.

“Se compatibilidade for inviável para aquele órgão, para aqueles pacientes que aguardam no estado, aí se faz uma integralização com a rede nacional para que nenhum órgão seja perdido e nenhum paciente fique sem ser atendido”, ressalta o secretário.

Na Paraíba há transplantes em serviços públicos e privados, com financiamento público. As doações vão de rim, córnea, fígado até coração e pulmão. Já os transplantes mais comuns são os de coração e fígado, segundo Ari.

Primeiro transplante de córnea do HULW

Para quem teve a oportunidade de receber um órgão, a sensação é de liberdade. A estudante de 25 anos Jéssica Samara Pessoa de Souza recebeu uma córnea do olho direito no começo de março, depois de ficar há três anos na fila de espera.

Deixe um comentário...