PF diz que Bolsonaro cometeu crime ao associar vacina e Aids

Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Rede TV

Por Monique Mello

A Polícia Federal (PF) disse, na quarta-feira (28), que vê crime do presidente Jair Bolsonaro (PL) por associar a vacina contra a Covid-19 ao risco de desenvolver o vírus da aids. A afirmação consta no relatório final da investigação enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela delegada Lorena Lima Nascimento. De acordo com o documento, o presidente “atentou contra a paz pública”. Um relatório parcial da investigação já havia atribuído ao presidente os delitos de incitação ao crime.A PF afirma que Bolsonaro agiu de maneira “consciente e voluntária” e “incentivou” a população a descumprir medidas sanitárias preventivas contra a Covid-19.

O presidente disse, em live no dia 21 de outubro de 2021, que a população do Reino Unido estaria “desenvolvendo a síndrome de imunodeficiência adquirida [aids]” após a imunização completa contra o novo coronavírus.

Na mesma transmissão ao vivo, Bolsonaro afirmou, citando um estudo atribuído ao imunologista Anthony Fauci, que “a maioria das vítimas da gripe espanhola não morreu de gripe espanhola, mas de pneumonia bacteriana causada pelo uso de máscara”.

A live foi excluída do YouTube, do Instagram e do Facebook por violar as diretrizes de desinformação médica sobre a Covid-19 das plataformas.

Além de Bolsonaro, a PF também atribui crimes ao ajudante de ordens presidencial, o tenente-coronel Mauro Cid, apontado como responsável pela produção do material divulgado na live.

O inquérito foi aberto a partir de uma representação do senador Omar Aziz (PSD-AM), que foi presidente da CPI da Covid. O procurador-geral da República, Augusto Aras, já pediu o arquivamento do caso, alegando que os fatos já estavam sob apuração na PGR.

*AE

Deixe um comentário...