Polícia Civil prende suspeito de cometer 12 assassinatos

Crimes têm o envolvimento de dois grupos que lutam pelo comando do tráfico de drogas no…leia detalhes…

Suspeito da autoria de 12 assassinatos em Belo Horizonte e Região Metropolitana, um homem de 31 anos foi preso pela Polícia Civil, na última quarta-feira (18/8). O fato foi revelado nesta quinta (19/8). A prisão foi efetuada quando os policiais investigavam o homicídio de um homem de 33 anos, ocorrido no último dia 19 de junho. A surpresa veio com a confirmação de que o suspeito era o mesmo de outros 11 crimes. Ele estava internado num hospital de Venda Nova.

Segundo a delegada Ingrid Estevam, a divisão de uma organização criminosa envolvida com o tráfico de drogas no bairro Jardim Felicidade, na capital mineira, está sendo apontada como motivação para uma série de crimes ocorridos na região nos últimos meses.

Ela explica que o motivo teria sido o desentendimento do líder da facção com um dos aliados, o que resultou na divisão do grupo. “A vítima, de 33 anos, teria optado por ficar ao lado do líder original da organização criminosa, gerando descontentamento e ameaças por parte dos dissidentes.”

No dia do crime, segundo ela conta, dois homens se aproximaram numa moto e atiraram contra a vítima, em plena luz do dia. A vítima estava numa barbearia quando foi surpreendido e assassinado.

As investigações possibilitaram a identificação do homem de 31 anos, que já está preso, e outro de 25 anos, morto um mês depois do crime, como autores do homicídio.

A delegada Ingrid diz que o principal suspeito pelo homicídio do homem de 25 anos, seria o comparsa de 31 anos. “O objetivo dele é se tornar o maior líder na região. Sempre muito cruel com suas vítimas, mata durante o dia, querendo firmar seu nome na região. Como o comparsa era do mesmo nível, ele não queria concorrência.”

Sobre o conflito entre os grupos criminosos do bairro Jardim Felicidade, o chefe da Divisão Especializada em Investigação de Crimes Contra à Vida (DICCV), delegado Frederico Abelha reforça que “O DHPP tem trabalhado na identificação de lideranças do tráfico e monitorando essas tomadas de território que elas têm promovido, já que o objetivo é de um excluir o outro do seu território. Estamos atentos e monitorando essa situação”.

A delegada chefe do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Letícia Gamboge, diz que “as ações realizadas pelo DHPP, por meio da Divisão de Crimes Contra a Vida e da Delegacia Especializada de Homicídios de Venda Nova, entre 2020 e julho de 2021, têm sido bastante efetivas. Nós tivemos uma redução substancial no número de homicídios naquela região”.

Postado por Fabiana Maluf

Deixe um comentário...