O cantor Zé Ramalho anunciou que não participará do novo disco de Sérgio Reis. Em 2019, o cantor havia gravado com Reis a canção “Admirável gado novo”, que seria incluída no novo projeto do cantor e ex-deputado federal.

“A gravação perdeu o sentido e tanto o compositor quanto sua editora não autorizarão a utilização da obra”, informou em nota ao jornal O Globo a editora Avôhai Music.

Conforme o jornal O Globo, a editora e o cantor solicitaram ao escritório de Reis que não “utilize o fonograma de forma alguma”, tanto em meios radiofônicos quanto eletrônicos.

Desde que Reis teve áudios vazados, nos quais convocava uma greve nacional de caminhoneiros para protestar contra os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), vários artistas desistiram de participar do novo álbum do cantor.

Maria Rita, Guilherme Arantes e Gutemberg Guarabyra, famoso pela dupla com o cantor e compositor Luiz Carlos Sá, também informaram que deixaram o álbum.

Em uma entrevista ao “Domingo Espetacular”, Sérgio Reis comentou as polêmicas envolvendo seu nome. “Eu errei. Quero pedir desculpas, até ao Supremo (Tribunal Federal). Eu sou uma pessoa que só pensa bem dos outros. E agora estão querendo acabar comigo como se eu fosse bandido. Eu não sou bandido. Falei bobagem. Pensei que não teria essa repercussão”, comentou ele sobre a ação de busca e apreensão da Polícia Federal feita em sua residência.

“(O áudio vazou) porque tem o amigo da onça, conhece? Hoje em dia, ninguém mais está sigiloso. Você fala qualquer coisa, já sai na internet, já sai para lá e vaza, vai para grupos e tudo mais”, continuou Sérgio para Roberto Cabrini.

De acordo com o inquérito instaurado pela Polícia Civil do Distrito Federal após o vazamento dos áudios, são investigados os crimes de ameaça (artigo 147 do Código Penal), dano (artigo 163 do CP) e “expor a perigo outro meio de transporte público” (artigo 262 do CP).

Fabiana Maluf

Deixe um comentário...