Empresa de Trump é condenada por fraudes fiscais

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump - AFP/Arquivos

A empresa de imóveis de Donald Trump foi condenada na terça-feira (6) por ter feito artimanhas contábeis para pagar menos impostos durante 15 anos. O próprio Trump não foi acusado neste caso, mas só a companhia.

A Organização Trump tem hotéis, campos de golfe e outros imóveis em todo o mundo. A pena pela condenação será uma multa, mas ainda não foi determinado qual será o valor (isso deverá ser determinado no dia 13 de janeiro)

A empresa havia se declarado inocente.

No processo, a empresa foi acusada de ter contabilizado algumas despesas pessoais de seus dirigentes como custos do negócio, e também pagou bônus para diretores como se fossem profissionais independentes contratados.

“A miscelânea de benefícios foi projetada para manter seus altos executivos felizes e leais”, disse o promotor Joshua Steinglass aos jurados.

A Organização Trump enfrenta, separadamente, um outro processo de fraude movido, esse movido pela procuradora-geral do estado de Nova York, Letitia James.

O próprio Trump está sendo investigado pelo Departamento de Justiça dos EUA por lidar com documentos confidenciais do governo depois que deixou o cargo em janeiro de 2021 e tentou derrubar a eleição de novembro de 2020, que perdeu para o democrata Joe Biden.

Allen Weisselberg, de 75, um ex-diretor-financeiro da Organização Trump, foi a principal testemunha do governo, como parte de um acordo judicial com os promotores. Como ele fechou um acordo, a sua pena máxima será de 5 meses na prisão.

A Organização Trump argumentou que foi Weisselberg que executou o esquema, só para se beneficiar. Ele está de licença remunerada da empresa e testemunhou que recebeu mais de US$ 1 milhão em pagamentos de salários e bônus este ano.

Deixe um comentário...