Internet chega a 90% das casas em 2021; 28 milhões não usaram a rede

Tablet: veja o que procurar e observar antes de comprar o seu novo gadget. Imagem: Pexels

Por Ana Flávia Castro

A internet chegou a 90% dos domicílios brasileiros em 2021, de acordo com informações divulgadas na sexta-feira (16/9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice representa aumento de seis pontos percentuais em relação ao último levantamento divulgado pelo instituto, em 2019.

De acordo com o IBGE, apesar de a rede ter alcançado grande volume de domicílios, 28,2 milhões de pessoas no Brasil não acessaram a internet no ano passado. Isso representa 15,3% da população com mais de 10 anos de idade.

No período analisado, a internet foi acessada por 84,7% da população brasileira com mais de 10 anos, ou 155,7 milhões de pessoas.

Os dados fazem parte da Pnad Contínua: Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) 2021. O último levantamento é de 2019, ou seja, este é o primeiro resultado levando em consideração os impactos da pandemia. Em 2020, os recenseadores não foram a campo por conta das medidas de isolamento social.

O levantamento mensura o acesso à internet e à televisão e a posse de telefone móvel celular para uso pessoal nos domicílios brasileiros.

A grande diferença em 2021 veio no ranking dos equipamentos mais usados nas residências para acessar a internet. O celular segue em primeiro lugar, com utilização em 99,5% das residências. Em seguida, aparece, pela primeira vez desde 2016, a televisão. Segundo os dados do IBGE, 44,4% dos lares brasileiros entram na rede pela TV. Ou seja, crescimento de 12,1 pontos percentuais em relação a 2019.

Os computadores caíram para terceiro lugar, de 45,2% para 42,2%. Por fim, vêm os tablets. Hoje, 12,1% das residências usam esse dispositivo para entrar na internet, contra 9,9% em 2019.

A queda do uso de computadores para o acesso à internet chama a atenção diante de um contexto de pandemia em que os brasileiros precisaram ficar em casa. Segundo o diretor de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo Pereira, a explicação é explicada pelo fator econômico.

“Computador hoje é um aparelho caro, que pode ser substituído em quase todas as suas funções pelo aparelho celular e pela TV, que é mais barata. Temos muito forte o fator da renda, e observamos uma queda no uso do computador que é mais versátil e mais caro”, explicou, durante coletiva de imprensa para apresentação dos dados no Ministério da Economia, na sexta-feira (16).

Veja outros dados do levantamento:

  • Na área rural, a proporção de domicílios com internet foi de 57,8% para 74,7%, entre 2019 e 2021, enquanto na área urbana, ela subiu de 88,1% para 92,3%.
  • Em 2021, pela primeira vez, mais da metade dos idosos acessaram à internet no período de referência da PNAD TIC. O percentual de utilização da internet pelas pessoas com 60 anos ou mais de idade saltou de 44,8% para 57,5%, entre 2019 e 2021.
  • De 2019 a 2021, o número de domicílios com TV no país subiu de 68,4 milhões para 69,6 milhões. No entanto, a proporção de domicílios com TV recuou de 96,2% para 95,5% do total.
  • O percentual de domicílios do país com acesso à TV por assinatura caiu de 30,3% para 27,8%, mas na área rural ele subiu de 16,4% para 17,8%.

DF no topo

O Distrito Federal é a unidade da Federação com o maior percentual de domicílios com internet, segundo a pesquisa do IBGE.

A internet foi utilizada em 97,7% das residências do DF em 2021, tendência de crescimento que vem se confirmando desde 2016. Na outra ponta, 116 mil dos brasilienses com 10 anos ou mais não têm acesso à rede. Os dois motivos mais apontados por essas pessoas foram não saber usar (48%) e falta de interesse em acessar (31,3%).

Deixe um comentário...