Os homens do dinheiro das campanhas de Lula e Bolsonaro

Tesoureiros. Foto: Reprodução

Por Rodrigo Rangel

De um lado, um político. De outro, um militar. Os homens escalados oficialmente como tesoureiros das campanhas de Lula e de Jair Bolsonaro têm perfis bem distintos.

As diferenças começam pelo nível de exposição de ambos. Enquanto o deputado Márcio Macêdo (à esq. na foto), tesoureiro do candidato petista, costuma aparecer bastante — ele dá entrevistas e frequenta reuniões ao lado de Lula –, o coronel da reserva do Exército Marcelo Azevedo, tesoureiro de Bolsonaro, é uma figura discreta, quase invisível.

Azevedo é avesso a contatos com a imprensa. Até mesmo aliados mais próximos de Jair Bolsonaro dizem não conhecê-lo — talvez porque o papel dele na campanha é quase que restrito às formalidades burocráticas.

Escolhido com aval dos fardados do entorno do presidente, na prática o coronel não cumpre exatamente o papel de arrecadador. A tarefa tem sido desempenhada, em maior medida, pelo senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, por ministros do governo e por Valdemar da Costa Neto, “dono” do PL, que toca com mão de ferro as contas de campanha.

Deixe um comentário...