Pai do autor de ataque em escolas indicou leitura de “guia” nazista

Segundo a Polícia Militar, o responsável pelo ataque é um adolescente (Foto: Reprodução)

Por Manoela Alcântara e Ana Karolline Rodrigues

O pai do jovem de 16 anos responsável pelo ataque a duas escolas no Espírito Santo demonstrava, em suas redes sociais, ser fã do ditador nazista Adolf Hitler. Tenente da Polícia Militar, o homem identificado como Fábio Castiglione indicou ,em seu perfil no Instagram, a leitura do livro Mein Kampf (Minha Luta, em português).

Neste livro, escrito por Hitler entre 1925 e 1926, são expressadas ideias antissemitas, anticomunistas, antimarxistas, racialistas e nacionalistas de extrema-direita, adotadas pelo Partido Nazista. Mein Kampf se transformou ao longo dos anos um guia ideológico e de ação para os nazistas.

No post da indicação de leitura, o pai do atirador em escolas do Espírito Santo diz: “Ler é uma das chaves da expansão da consciência”.

Veja post:

Capa do livro Minha Luta, escrito por Adolf Hitler

O jovem que cometeu os ataque tem 16 anos e usou a arma do pai. Câmeras de segurança flagraram o momento em que o atirador entra em uma das escolas, com um brasão vermelho em um dos braços. O governador do estado, Renato Casagrande, confirmou se tratar de um símbolo nazista.

Os atentados deixaram em pânico centenas de pessoas e mataram três, na manhã de sexta-feira (25/11), em Aracruz (ES). Foi com a arma do pai, uma pistola .40, que o adolescente abriu fogo em dois centros de ensino. Ele também portava um revólver calibre .38 e usou o carro do pai para chegar e sair dos locais, sempre com a placa tampada.

Primeiro, o adolescente invadiu a EEFM Primo Bitti, da qual era aluno no turno vespertino até junho deste ano, e a escola particular Centro Educacional Praia de Coqueiral, antes conhecida como Colégio Darwin.

O adolescente fazia tratamento psiquiátrico, mas não se sabe se usava medicamentos.

Atentado planejado

O atentado foi planejado por, pelo menos, dois anos. O delegado-geral da Polícia Civil do Espírito Santo, Darey Arruda, afirmou que o suspeito não tinha alvo definido. “Essas pessoas costumam ficar isoladas e se juntar a grupos extremistas”, explicou.

Após o ataque, ele voltou para a casa, deixou o veículo e saiu. Ele foi encontrado em uma outra casa da família, no mesmo município. “Ele confessou o crime à Polícia Civil, mostrou as roupas, as armas e como tudo foi feito”, afirmou o superintendente João Francisco Filho.

Segundo as autoridades, o jovem ficou calmo durante todo o processo. Os pais, em contrapartida, “estavam destruídos” e colaboraram com a corporação.

Vítimas

Seis das 13 pessoas feridas seguiam hospitalizadas até a sexta-feira (25/11) como informou a Secretaria de Saúde. Entre os feridos há duas crianças — uma delas internada em estado gravíssimo.

A Polícia Civil do Espírito Santo identificou as três vítimas mortas por atirador de 16 anos que invadiu duas escolas no bairro Coqueiral, em Aracruz, no litoral norte, na manhã da sexta-feira (25/11). São as professoras Cybelle Passos Bezerra Lara, 45 anos; e Maria da Penha Pereira de Melo Banhos, 48; e a estudante Selena Sagrillo Zucoloto, 12. O adolescente acabou apreendido horas depois do ataque.

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação (Sedu), Cybelle era professora de matemática na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Primo Bitti e servidora efetiva desde setembro de 2018.

Maria da Penha dava aula de artes e trabalhava na mesma escola, sob contrato de designação temporária, desde março deste ano, segundo informações do jornal Folha Vitória.

Elas estavam na sala dos professores durante o intervalo quando o adolescente invadiu o local e atirou.

Em seguida, o adolescente armado seguiu em direção à escola particular Centro Educacional Praia de Coqueiral, que fica a 700m do colégio público. Lá, ele começou a atirar pelos corredores e salas e atingiu a estudante Selena Sagrillo, aluna do sexto ano do ensino fundamental. Ela acabou morrendo. As aulas foram suspensas em Aracruz.

Deixe um comentário...