Sigla “CPX” no boné usado por Lula não tem a ver com tráfico. Entenda

Lula. Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Por Rebeca Borges

O boné usado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante visita comunidades do Rio de Janeiro, na quarta-feira (12/10), gerou uma onda de fake news nas redes sociais.

O acessório tem as iniciais “CPX”, uma abreviação para “complexo de favelas”, e foi um presente de Camila Moradia, líder do movimento por Moradia do Complexo do Alemão, e de outras lideranças da comunidade.

Após a circulação de fotos do candidato com o boné, no entanto, grupos bolsonaristas passaram a associar as letras ao tráfico de drogas.

O senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, foi um dos responsáveis por divulgar informações falsas sobre o caso. Nas redes sociais, o politico disse que a sigla CPX significa “cupincha”, que quer dizer “parceiro do crime”.

Líderes comunitários de favelas do Rio de Janeiro divulgaram notas de repúdio à disseminação da fake news. O jornal Voz das Comunidades, do Complexo do Alemão, explicou a origem do termo.

“CPX é a sigla de ‘Complexo’ e é muito utilizada nas redes sociais por moradores jovens e um complexo é um conjunto de favelas que dividem a mesma região. No Rio de Janeiro, existem vários complexos (Complexo do Alemão, Complexo da Penha, Complexo da Maré…) que são comunidades agrupadas em um único território”, informou o veículo.

De acordo com o Vozes da Comunidade, o boné ganhado por Lula é uma “manifestação de representatividade para as comunidades do Rio de Janeiro”.

Sigla usada por autoridades

René Silva, fundador do Vozes das Comunidades, explica que a sigla CPX é usada até por autoridades policiais. Nas redes sociais, ele compartilhou uma publicação da Polícia Militar do Rio de Janeiro em que o termo aparece.

“O comando da UPP Vila Cruzeiro, Cpx da Penha, informa que houve um curto-circuito no ar-condicionado de um dos alojamentos”, consta na publicação divulgada pela PM.

 

Deixe um comentário...