Zema vai coordenar campanha de Bolsonaro no 2º turno em MG

© Alex Silva/Estadão. Governador Romeu Zema (Novo)

Por Monique Mello

O governador reeleito Romeu Zema (Novo) foi escalado para coordenar a campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL), em Minas Gerais, no segundo turno. A decisão foi anunciada pelo candidato a vice-presidente general Braga Netto (PL), nas redes sociais, após uma agenda no estado ao lado de Zema e de deputados e prefeitos aliados.

– Presidente @jairbolsonaro define governador reeleito @RomeuZema como coordenador da campanha presidencial em Minas Gerais #Bolsonaro22 – escreveu Braga Netto.

O vice ficou responsável por mobilizar apoio à reeleição do presidente no estado. No primeiro turno deste ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teve 48,29% dos votos em Minas e Bolsonaro, 43,60%.

A entrada de Zema na campanha presidencial de Bolsonaro representa um elemento novo no segundo turno. Até a primeira rodada, o governador, historicamente aliado ao presidente, se manteve neutro e evitou sinalizar apoio.

Dois dias após ser eleito, Zema não só anunciou apoio público a Bolsonaro, como embarcou na campanha e endossou as críticas ao PT. O governador tem feito reiteradas críticas às gestões petistas em Minas, quando Fernando Pimentel esteve à frente do Executivo estadual. Ele também prometeu mobilizar prefeituras e usar a capilaridade da Associação Mineira de Municípios (AMM) em prol da reeleição do presidente.

Na sexta-feira (14), Bolsonaro e Zema se encontraram com prefeitos filiados à AMM, entidade que contempla 786 cidades do estado. O presidente da associação, Marcos Vinícius Bizarro (PSDB), que também é prefeito do município Coronel Fabriciano, no Vale do Aço, anunciou apoio público à reeleição do presidente. Em vídeo publicado no Twitter, ao lado de Zema e Bolsonaro, Bizarro disse que esse é “um encontro que a gente está pensando na gestão pública, e é isso que a gente quer”.

A campanha de Bolsonaro aposta em uma virada em Minas com a mobilização de Zema e de uma rede de prefeitos. A avaliação de aliados do chefe do Executivo é que apoios regionais valem mais na eleição do que o endosso de partidos ou de ex-candidatos à Presidência como Simone Tebet (MDB), que decidiu fazer campanha para Lula.

Na semana passada, Zema subiu no palanque com o presidente em ato político na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). O chefe do Executivo também conta com a mobilização do senador eleito Cleitinho (PSC) e do deputado federal Nikolas Ferreira (PL), que foi o mais votado do País nestas eleições, com 1,492 milhões de votos.

*AE

Deixe um comentário...