Caso Éverton: mãe de menino assassinado em 2015 é condenada a 34 anos de prisão

Éverton foi visto pela última vez com vizinho, na cidade de Sumé. — Foto: Reprodução Tv Paraíba

Laudenice dos Santos Siqueira, mãe do menino Éverton Siqueira, que tinha cinco anos quando foi assassinado, foi condenada nesta terça-feira (24) a 34 anos de prisão em regimento fechado. O crime aconteceu em 2015, no município de Sumé, mas devido à comoção da cidade, que gerava risco aos envolvidos, o julgamento foi transferido para o Tribunal do Júri de Campina Grande.

A informação é do juiz Horácio Ferreira. Ele comenta, inclusive, que foi devido à repercussão do caso que o julgamento foi desaforado da comarca do Cariri. Outros três acusados do crime, dentre eles o padrasto do menino, seguem presos aguardando o julgamento.

Relembre o caso

Éverton Siqueira, de 5 anos, foi encontrado morto em um matagal, no dia 13 de outubro de 2015, na cidade de Sumé, no Cariri paraibano. Seu corpo estava com incisões e partes do corpo mutiladas. Segundo o inquérito da Polícia Civil, ele teria sido assassinado durante na madrugada de 11 de outubro, próximo a um boqueirão, na zona rural.

De acordo com o resultado da perícia, o sangue da criança foi retirado e as investigações apontam que isso aconteceu com a anuência da mãe, que participou de todo o processo.

Éverton, de cinco anos, foi encontrada morto em vala, em Sumé.  — Foto: Reprodução Tv Paraíba
Éverton, de cinco anos, foi encontrada morto em vala, em Sumé. — Foto: Reprodução Tv Paraíba

Com o decorrer das investigações, a Polícia Civil da Paraíba acabou suspeitando do padrasto e da mãe por causa da frieza dos dois nos depoimentos. Segundo a polícia, a mãe acabou confessando o crime.

A denúncia apresentada pelo Ministério Público da Paraíba aponta o padrasto, Joaquim Nunes dos Santos, como mentor do crime, junto de outros dois homens. O MP também o acusou de forjar o encontro do corpo da criança.

Na época, o acusado alegava que o crime teria sido cometido por um homem, com deficiência físico, que estava próximo ao local onde o corpo foi encontrado e que acabou sendo preso. Esse homem foi preso junto com o padrasto e, dias depois, assassinado no presídio. O MP acusa Joaquim de assassiná-lo para que o crime não fosse descoberto.

Na época, devido à revolta da população, eles foram transferidos para outras cidades. Os acusados respondem por homicídio por motivo torpe, crime cruel praticado mediante tortura, impossibilidade de defesa da vítima, ocultação e destruição de cadáver, humilhação a cadáver e associação criminosa.

Mais crimes

A princípio, quando foi preso acusado de ser o mentor do crime, o padrasto da criança informou à polícia um nome falso, mas acabou confessando seu verdadeiro nome. Foi possível reconhecê-lo como o suposto autor de um latrocínio no ano de 2007, na cidade de Rio Tinto. Na época, ele chegou a ser preso, mas fugiu da cadeia pública do município. Ele também é suspeito de agredir uma ex-companheira, anos depois, quando estava morando na cidade de Areia, no Brejo paraibano.

Depoimento da mãe

Quando a mãe da criança prestou depoimento à polícia no dia 16 de outubro de 2015, ela teria assumido que presenciou a morte do menino. Segundo a Polícia, a mãe teria confessado a participação após saber da confissão de um outro suspeito do crime. Ela ainda teria admitido que a irmã da criança, que tem sete anos de idade, também seria morta.

Ainda segundo a polícia, a mãe contou que os suspeitos riram durante a ação. “Um homem o agarrou pelas costas e o padrasto o golpeou de faca”, disse em depoimento.

Deixe um comentário...