‘Moraes sequer se debruçou no relatório para emitir opinião’, diz deputado

Ministro Alexandre de Moraes. Foto: EFE/Fernando Bizerra Jr

Por Monique Mello

O pedido do Partido Liberal (PL) de anular os votos de 279 mil urnas que representam incoerências foi indeferido pelo ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na noite da quarta-feira (23).

A sigla tinha apresentado, na terça (22), um relatório apontando as possíveis falhas no sistema e pedindo para que o TSE apurasse a eventualidade que, se comprovada, inverteria o resultado da eleição presidencial.

Ao rejeitar o pedido, Moraes disse que as urnas foram utilizadas nos dois turnos das eleições e que não é possível dissociar os dois resultados do mesmo período eleitoral.

Moraes afirmou ainda que é falso que as urnas não podem ser identificadas, pois há identificação física e lógica em todas elas.

O ministro ainda resolveu multar o partido por “litigância de má-fé” em R$ 22.991.544,60 com imediato bloqueio e suspensão dos fundos partidários dos partidos da coligação.

A decisão do presidente do TSE foi criticada pelo deputado federal Junio Amaral (PL-MG). Segundo informações da Revista Oeste, o parlamentar classificou o tratamento dado por Moraes ao pedido do partido como “esdrúxulo”.

O deputado deu declarações durante entrevista ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan.

– Não estou falando nem sobre o indeferimento do pedido ou a indiferença com os fatos apresentados, mas o desprezo com os fatos, com as informações que contêm no relatório. Ele sequer se debruçou no relatório para emitir a sua opinião e para dar as suas decisões – comentou.

Deixe um comentário...