Militar que matou colega tinha hábito de “brincar” com arma

Advogados Wilibrando Bruno e Walisson dos Reis. Foto: Reprodução / Youtube / Metrópoles

Por Thamirys Andrade

Os advogados da família do militar Kauan Duarte expressaram surpresa ao saber que o colega de farda responsável por matá-lo tinha o hábito de “brincar” com a pistola nove milímetros. Em entrevista ao portal Metrópoles, Wilibrando Bruno e Walisson dos Reis relataram que Felipe Sales costumava apontar a arma para seus colegas e questionar se a pessoa ficaria paraplégica ou morreria.

De acordo com Walisson, momentos antes de matar Kauan, Felipe havia ameaçado um colega enquanto ele fazia a barba.

– No mesmo dia, ele tinha um colega dele fazendo a barba, e foi por trás dele, apontou a arma nas costas dele e falou: “se eu te der um tiro, você não anda nunca mais”. E saiu em seguida, para onde o Kauan estava – contou o advogado.

Segundo Walisson, Kauan estava ao lado de um colega assistindo a um vídeo pelo celular, de cabeça baixa, quando foi atacado.

– Ele deu um tiro na cabeça do Kauan, e o Kauan já caiu logo no colo do amigo ali, já sem vida. Esses jovens passam a ter contato com armas de fogo muito cedo. A informação que temos é que o o autor tinha esse costume, de brincar com a pistola – explicou.

Felipe foi detido em flagrante, e Kauan, sepultado no último domingo (20), no Cemitério do Gama, em Brasília. A FAB está conduzindo um inquérito a fim de apurar os detalhes do caso.

Deixe um comentário...