João diz que ‘imposto do sol’ na Paraíba é fake news da oposição, confira detalhes

João Azevêdo. Foto: Reprodução

Por Laerte Cerqueira e Angelica Nunes

O governador João Azevêdo, candidato à reeleição pelo PSB, negou nesta quinta-feira (13) que o estado cobre imposto sobre a energia solar produzida no estado. Em entrevista à CBN Paraíba, na sabatina com os candidatos ao governo que foram ao segundo turno, o socialista acusou a oposição de plantar a fake news sobre o chamado “imposto do sol”.

João Azevêdo em entrevista na CBN. Foto: Wellington Faustino/TV Cabo Branco

João Azevêdo disse que o ICMS sobre a distribuição excedente era cobrado diretamente pela Energisa, por determinação do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), e não pelo estado. “Mas até isso mudou, com uma nova taxa, não existe mais essa cobrança porque isso acabou”, afirmou.

Sobre a questão do ICMS, o governador também se posicionou em relação ao ICMS dos combustíveis. O tema foi alvo de polêmica e embates com o governo Bolsonaro, a quem faz oposição. João disse que a redução foi aprovada pelo Congresso Nacional e não há nenhum interesse do estado em alterar a legislação.

O que nós discutimos é que, infelizmente no Brasil, por uma medida eleitoreira, se fez modificações das regras com o jogo em andamento e isso foi o que fomos buscar junto ao governo federal para que se tivesse um tratamento justo com os estados”, comentou.

João disse que as adequações necessárias ao orçamento para absorver as perdas com a arrecadação, com avaliação mantida em R$ 750 milhões, só será feita após as eleições.

Saúde

O governador afirmou que vai implantar o novo Hospital de Clínicas de Campina Grande, caso seja reeleito no 2º turno das Eleições 2022. João Azevêdo também voltou a prometer o Hospital de Clínicas e Traumatologia do Sertão e a conclusão do Hospital da Mulher, em João Pessoa.

Além disso, o candidato informou que está trabalhando em parceria com o Hospital Napoleão Laureano e a prefeitura de Sousa, no Sertão paraibano, para colocar um posto avançado do hospital na cidade. “O estado já disponibilizou recursos para fazer a adaptação do prédio”, acrescentou.

Cidade Madura

Em 2018, João Azevêdo prometeu ampliar o programa de habitação Cidade Madura, que é um tipo de conjunto habitacional para a população mais idosa. No entanto, não houve esse aumento. “Estamos construindo o Cidade Madura de Monteiro e o de Bayeux está em obra”, explicou.

Para o próximo mandato, se eleito, João reforçou a promessa e quer levar o programa para o município de Catolé do Rocha. Além disso, o candidato informou que está trabalhando com a possibilidade de ampliar também para Itaporanga e outra cidade a escolher.

O Programa Cidade Madura, conforme o candidato, oferece, em média, 40 unidades em cada espaço.

O candidato à reeleição também falou sobre obras de saneamento, canal Acauã-Araçagi, privatização da Cagepa, planos de realização de concurso público para as áreas de Educação e Polícia Militar, caso obtenha êxito nas urnas.

Confira a íntegra da entrevista:

 

Deixe um comentário...