Representando Lula, Alckmin atrai ex e atuais tucanos a evento em GO

Geraldo Alckmin. Foto: Vinícius Schmidt

Por Galtiery Rodrigues

Goiânia – Rodeado de lideranças de seu ex-partido, Geraldo Alckmin (PSB), candidato a vice-presidente na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), participou de evento de campanha na capital de Goiás, na quarta-feira (21/9). Questionado sobre o apoio de tucanos, adversários históricos do Partido dos Trabalhadores (PT), o ex-governador de São Paulo disse que isso é resultado do “entendimento da gravidade do Brasil hoje”.

A possível aproximação da campanha do PT com integrantes do PSDB tem sido destaque, nas últimas semanas. Em Goiânia, isso se demonstrou de maneira clara. O coordenador da campanha de Lula, no estado, é José Eliton, hoje no PSB, ex-governador de Goiás pelo PSDB e, também, ex-presidente do partido.

Veja imagens:

Geraldo Alckmin (PSB) participa de evento em Goiânia (GO)

Geraldo Alckmin (PSB) participa de evento em Goiânia (GO)

Geraldo Alckmin (PSB) participa de evento em Goiânia (GO)

Estiveram presentes, ainda, no evento, a presidente metropolitana do PSDB, a vereadora Aava Santiago, e o ex-deputado federal, membro da direção nacional do partido, Giuseppe Vecci. “Companheiros do PSDB, não é momento de trazermos à tona as nossas diferenças pequenas, tacanhas e miúdas. O momento é de termos consciência da grandeza do Brasil”, expressou Aava em discurso.

Alckmin não só agradeceu como destacou a presença dessas lideranças como um aceno claro da frente ampla que o PT tenta construir para vencer já no primeiro turno. “Não estamos constrangendo ninguém. As pessoas são livres para decidir, mas tem tido, naturalmente, o entendimento da gravidade que o Brasil está”, frisou.

O ex-governador de SP lembrou ainda que ele próprio já foi adversário de Lula em eleições passadas, assim como os antigos companheiros de partido José Serra e Fernando Henrique Cardoso. “Não se pode mentir. Ninguém nunca questionou a democracia”, pontuou.

Apoio de Serra

A reportagem do portal perguntou a Alckmin se existe, de fato, um diálogo aberto entre a campanha do PT e José Serra para uma possível declaração de apoio a Lula. O candidato deixou em aberto: “Só ele pode falar”.

Nos bastidores, fala-se numa suposta oficialização desse apoio, assim como já foi acenado por outros líderes tucanos. O ex-senador Aloysio Nunes, por exemplo, não esperou o segundo turno para sinalizar sua posição diante do pleito atual.

Em publicação nas redes sociais, na terça-feira (20/9), Nunes defendeu Lula após uma comparação feita pela candidata Simone Tebet (MDB).

“Simone faz contorcionismo político quando iguala Lula a Perón: Perón foi um populista autoritário, o governo de Lula foi popular e democrático”, escreveu ele no Twitter.

Veja:

Com empresários

Geraldo Alckmin esteve em Goiás para participar de encontros com empresários e outras lideranças. Também se reuniu com candidatos locais que apoiam a chapa Lula/Alckmin, além de militantes. A esposa dele, Lu Alckmin, também passou parte do dia na capital goiana. Ela se reuniu com representantes de cooperativas, visitou um centro educacional e também participou de reunião com empresários.

A reunião empresarial dos Alckmin em Goiânia foi a portas fechadas na sede da Associação Comercial e Industrial de Goiás (Acieg). Atualmente, o presidente Jair Bolsonaro (PL) é o preferido pelo setor, mas a campanha de Lula tenta quebrar barreiras em Goiás e na região Centro-Oeste, onde existem bolsões fortes do bolsonarismo, principalmente ligados ao grande agronegócio.

É de Goiás, inclusive, o grupo de WhatsApp de empresários que mostra que já circula, entre eles, pedidos de orações para intervenção divina em busca de uma vitória de Bolsonaro sobre Lula.

 

Deixe um comentário...